Felicidade

20 de Março – Dia Internacional da Felicidade


A criação deste dia se concretizou no ano de 2012, com voto unânime dos 193 estados-membro da ONU, por sugestão de um pequeno reino Budista. Butão, localizado nos Himalaias, adotou como estatística oficial a “Felicidade Nacional Bruta” ao invés do PIB (Produto Interno Bruto).

A busca pela felicidade é um objetivo humano fundamental.
[ONU, 2012]

Felicidade é um tema e concento muito amplo, discutido atualmente.

De modo geral, felicidade seria definida como satisfação, êxito.

Não se pode adquirir felicidade. A felicidade acontece e é um estado transitório.
[Fritz Perls, 1969]


Psicologia Positiva: a Ciência da Felicidade e Bem estar

Seligman (2011), precursor do movimento da Psicologia Positiva, apresenta uma mudança no objeto da Psicologia Positiva que, de seu início, em 1997, até o ano de 2004, era a busca pela felicidade. A teoria da felicidade autêntica se daria a partir das escolhas que o indivíduo faz e, assim, a felicidade seria ponderada a partir de três elementos escolhidos por eles próprios, que são: emoções positivas, engajamento e sentido. Cada um desses elementos é melhor definido e mensurável que a felicidade (Seligman, 2011).

Atualmente, o termo utilizado é bem-estar, definindo a Psicologia Positiva como a ciência que estuda o bem-estar. Seligman (2011) refere-se à Psicologia Positiva como aquilo que o indivíduo escolhe por si mesmo e completa especificando que o indivíduo escolhe o que o faz sentir-se bem. Desde o surgimento deste movimento, Seligman propõe uma abordagem baseada na felicidade autêntica, com base no sentir-se bem e assegurando a busca por potencializar como o indivíduo se sente de acordo com o modo que se escolhe a trajetória de vida.


Quem me acompanha no @evelisepsicologa  já percebeu o quanto eu me apaixonei por um livro chamado “A princesa azul e a felicidade escondida” (sim pois toda semana sai uma citação :D)

É realmente um belo livro e uma bela lição e reforçamento para sermos pessoas melhores, autoconfiantes e com auto estima.

Então, para finalizar esta publicação sobre felicidade, deixo dois trechos do livro, onde uma personagem fala sobre felicidade e nos permite pensar além da visão “perfeita” e idealizada que não poucas vezes temos:

“Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver, apesar de todos os obstáculos, de todas as dificuldades, frustrações e perdas. É deixarmos de ser vítimas para nos tornarmos autores da nossa própria história.”

“A felicidade é saber viver com os problemas e com os obstáculos que aparecem no nosso caminho e, mesmo assim, ser feliz e agradecido. Todos nós existimos por um motivo especial, todos nós somos únicos e, só por essa razão, devemos agradecer.”


Desejo um dia feliz. E que você que leu até aqui, se permita ver a felicidade em todas as pequenas e simples coisas.

Com amor Evelise